Envie para seus amigos

Verifique os campos abaixo!






Comunicar Erro

Verifique os campos abaixo!




16/10/2019

Exposição Invasão, Praças | Curitiba

Rua Paula Gomes, 270 - Curitiba/PR
  • DATA INÍCIO: 05/11/2019
  • TÉRMINO: 06/12/2019
  • HORA INÍCIO: 09:00
  • TÉRMINO: 18:00
A Exposição “Invasão, Praças” - trazendo uma caça ao tesouro nos parques de Curitiba. Um dos objetivos é estimular o público a aprender sobre a arquitetura e o urbanismo local.
Chico Santos tenciona criar relações afetivas com o espaço urbano. Por meio de mapas espalhados pela cidade, que contempla quem achar, com uma escultura em resina.  o artista oferece orientações para que as pessoas cheguem até o local onde expõe uma escultura maior, composta por prédios guardados em uma cúpula. Trata-se da gênese das “esculturinhas” que serão encontradas em Curitiba. Dessa forma, o artista amplia o espaço de relação das obras de arte com seu público e a cidade em que as expõe. O link entre as
esculturas de Chico com o espaço de exposição são herança, guardadas as proporções, das práticas ambientais da arte iniciadas nos anos de 1960, quando emergiram artistas como Christo e Jeanne Claude e Robert Smithson.
Na galeria de exposições, próximo à escultura na cúpula, três grandes telas estão dispostas nas paredes. Em cada uma delas, o branco, o verde musgo e o terracota brincam com cores encontradas na natureza, mas os pigmentos que as tingem são industrializados, sintéticos.
Na trama desses tecidos, Chico expressa três cidades paranaenses: Londrina, Curitiba e Pato Branco. Essas tramas, porém, são percebidas apenas na aproximação com as pinturas, pois seu desenho apresenta pouco contraste com as cores predominantes nas telas.
Sobre o desenho desses mapas, com as mesmas cores das pinturas, o artista borda pequenas áreas que representam o que resta de mata nas três cidades. Entre cores, representações do espaço natural e sua relação com o espaço construído, as pinturas elaboram a discussão da preservação ambiental. Ou sua falta. A divergência das cores da natureza, elaboradas de forma sintética, bem como a ausência de contraste de cores na própria pintura, também é sintoma daquilo que desaparece com o crescimento urbano. A
pintura é, por si só, um “apagamento”.
⏰ 05.11 a 06.12 | das 9h às 18h
💰 Gratuito
📌 Centro Cultural Sistema Fiep (Black Box) - Dr. Celso Charuri | Rua Paula Gomes, 270
Sesi   Serviço Social da Indústria (Paraná)   Direitos Reservados
Av. Cândido de Abreu, 200   Centro Cívico   80530-902   Curitiba   PR