Notícias

Somos Ouro na Olimpíada Brasileira de Astronomia e estamos na pré-seletiva da Internacional

17/08/2021

compartilhe

Já imaginou competir com mais de 900 mil alunos matriculados em mais de 10 mil escolas de duas mil cidades brasileiras e você ficar entre os medalhistas e ainda fazer parte da pré-seleção para uma competição internacional na França? Foi exatamente isso que aconteceu com nove alunos do Colégio Sesi da Indústria que participaram da XXIV OBA - Olimpíada Brasileira de Astronomia realizada este ano, pela primeira vez, em formato híbrido (presencial e virtual).

Além de medalhas de Ouro, Prata e Bronze, os alunos dos Colégios Sesi CIC, Internacional, Afonso Pena, Umuarama e União da Vitória conquistaram vaga na pré-seleção para as Olimpíadas Internacionais de Astronomia de 2022, que será realizada na cidade de Lyon, na França. Ao todo, temos 05 medalhas de Ouro, 03 medalhas de Prata e 01 medalha de Bronze.

“Estamos muito felizes e orgulhosos dos nossos alunos que participaram da Olimpíada. Uma das premissas do Colégio Sesi da Indústria, por meio de sua metodologia, é trabalhar para que os alunos tenham senso crítico e capacidade de resolver problemas, e que desenvolvam seu conhecimento e suas habilidades para as áreas STEAM. É gratificante vê-los conquistando esses resultados”, destaca Jacielle Feltrin, Gerente de Educação e Negócio do Sistema Fiep.

“Fiquei empolgado com a oportunidade de participar de uma Olimpíada de Astronomia e apostei nessa ideia. Eu já tinha participado ano passado, conquistando uma medalha de prata e, por muito pouco, não fui classificado para a seletiva internacional. Então, para esse ano, era uma coisa que eu queria muito. Me dediquei ao máximo e consegui gabaritar a prova e ser classificado para a seletiva internacional”, diz Ever Felliphe Sousa da Costa, da 2ª série do Ensino Médio do Colégio Sesi da Indústria – CIC, em Curitiba.

Ao todo, a XXIV OBA contou com 18.090 estudantes paranaenses inscritos por meio de 384 escolas no Estado. No total, são 8.700 alunos de Ensino Médio em todo o território nacional convocados para as seletivas internacionais que acontecem, de forma online, nos meses de setembro, outubro e dezembro. Os 200 melhores serão selecionados para um treinamento intensivo, programado para acontecer no mês de março de 2022, no Rio de Janeiro, com provas teóricas, observacionais reais ou em planetário, e de cartas celestes. Ao final deste processo, os 40 estudantes com os melhores resultados irão compor as equipes brasileiras para as Olimpíadas Internacionais de Astronomia de 2022: XV IOAA - International Olympiad of Astronomy and Astrophysics, e XIV OLAA - Olimpíada Latino-Americana de Astronomia e Astronáutica.

“A OBA me fez evoluir nos meus estudos e no meu aprendizado pessoal. Eu sou aluna do Colégio Sesi Internacional de Curitiba e essa foi a minha segunda passagem pela olimpíada. Participei uma vez em 2020 e agora em 2021, onde passei para as seletivas internacionais. Desde criança gostava de observar o céu, admirar as estrelas, mas nunca havia parado para estudar mais sobre. Com as oportunidades que o colégio ofereceu eu consegui conhecer mais sobre essa área, o que acabou me levando às olimpíadas e consegui chegar na pré-seletiva. A ajuda e apoio dos professores contribuiu muito para este aprendizado, e a leitura também foi uma forte aliada. Com a astronomia eu consegui abrir uma nova porta de possibilidades para o meu futuro e hoje penso bastante a respeito dessa área, assim como penso em tecnologia também. Todo esse processo é cansativo, porém a sensação de ver que todo o seu trabalho teve um resultado, é muito gratificante, me fez entender que com dedicação e persistência nós podemos alcançar aquilo que desejamos e evoluir cada vez mais”, comenta Giulia Garcia de Morais, medalha de Ouro e aluna da 2ª série do Ensino Médio do Colégio Sesi Internacional.

E é sempre bom lembrar que o desempenho em olimpíadas do conhecimento é cada vez mais valorizado possibilitando, também, a entrada na Universidade. “Aqui no Brasil temos algumas universidades que aceitam o desempenho em olimpíadas como forma de ingresso para o ensino Superior. A UNICAMP é uma delas. Já a Minerva University, em San Francisco, nos Estados Unidos, tem um convênio com a OBA e oferta bolsas de estudo para alunos com bom resultado na prova”, explica a professora Luianne Rodrigues dos Santos, Física e Mestre em Ensino de Ciências, professora do Colégio Sesi da Indústria CIC responsável por acompanhar os alunos da unidade na OBA e nas seletivas internacionais.

Além  disso, vale destacar que a participação dos nossos professores incentivando e apoiando os nossos alunos foi fundamental, não é mesmo? “É uma grande alegria ter alunos do nosso Colégio selecionados para a próxima etapa da OBA. Isso me enche de orgulho como pessoa e como profissional. É uma emoção enorme ver que estão alcançando grandes conquistas e caminhando rumo a um futuro de inúmeras possibilidades!”, diz a professora Luiza Maturizem Jackiw, que ministra aulas de Física e Ciências Aplicadas do Colégio Sesi - União da Vitória, .

Agora, aproveita para conferir abaixo o depoimento dos nossos medalhistas e dos professores que os acompanharam na OBA e que seguem ao lado deles nos estudos para a pré-seleção.

Por aqui, ficamos na torcida, esperando vê-los entre os 40 selecionados para as Olimpíadas Internacionais de Astronomia de 2022. Mas isso, só ano que vem para sabermos. Ficamos na torcida! \º/

 

Colégio Sesi da Indústria – CIC:

Em 2010, o Colégio Sesi da Indústria – CIC fez a sua primeira participação na OBA, conquistando duas medalhas de bronze. Uma década mais tarde, na XXIV OBA, a instituição teve quatro alunos medalhistas, sendo três medalhas de ouro e uma de prata. 

  • Professora Luianne Rodrigues dos Santos:

“Como educadora, meu papel é incentivar e apoiar nossos estudantes na busca por seus sonhos. Faço de tudo para guiá-los e informá-los em relação às oportunidades que o ensino médio proporciona. Eu me realizo e me completo como profissional assistindo as conquistas dos meus alunos. Me emociono ao vê-los despontando nas carreiras que escolheram e em tudo o que eles se propõem a fazer. Tenho um orgulho gigante de falar que foram e são meus alunos”.

A professora Luianne é Física e Mestre em Ensino de Ciências. No Colégio Sesi da Indústria CIC atua como professora de Física e Oficinas Tecnológicas, além de ser técnica da Equipe de Robótica-FLL da escola.

  • Ever Felliphe Sousa Da Costa – medalha de Ouro | 3ª série do Ensino Médio

"Meu primeiro contato com olimpíadas do conhecimento foi no 6º ano, quando participei da OBMEP (Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas). No ano passado, surgiu a OBA e eu gostei da ideia, por ser uma olimpíada de astronomia e apostei nessa chance. Consegui tirar uma nota suficiente para participar das seletiva da internacional e foi desse modo que eu conheci, de fato, sobre o mundo olímpico e as vantagens e benefícios de participar desse cenário. Por conta disso, percebi também que era possível estudar os temas que gosto além da sala de aula. A partir daí eu comecei minha jornada de estudo autodidata nas áreas que me interesso e pretendo participar de muitas outras olimpíadas do conhecimento. A comunidade de olimpíadas científicas, envolvendo os professores especializados e colegas, me auxiliou bastante no processo de estudo, e é por conta dessa comunidade que eu também me motivei a continuar seguindo em provas olímpicas de conhecimento". 

  • Andrielli Vitoria Bubniak Amancio – medalha de ouro | 3ª série Ensino Médio

"Sou aluna do colégio SESI CIC da indústria e esta é a primeira vez participando da Olimpíada Brasileira de Astronomia. As minhas inspirações foram os professores e assuntos da OBA, como astronomia, tema que mais me cativa. Sempre fui de olhar para o céu e contemplar essa divina imensidão; tentar descobrir o que pode existir atrás dele é simplesmente deslumbrante. Passei para as seletivas internacionais da OBA e estou focada no objetivo de ir para fora do Brasil e competir representando o nosso país. Para o futuro, quero me tornar policial e trabalhar na área da perícia criminal, no ramo de laboratório (genética forense). A Olimpíada me ensinou a nunca desistir e sempre persistir para aprender. Espero nunca mais parar de estudar e sempre estar evoluindo".

  • Esther Hikari Kimura Nunes – medalha de prata | 3ª série do Ensino Médio

"Esta não foi a minha primeira OBA. Eu também participei ano passado, fui medalhista de prata e realizei as provas da seletiva internacional. Começar os estudos é a parte mais difícil. Você se depara com muita matéria que não entende e isso por vezes pode desmotivar. No meu caso, quanto mais eu estudo mais eu quero aprender sobre o assunto. Em relação as seletivas eu acho que vai estar difícil. Eu pretendo cursar Engenharia da computação ou aeroespacial; as olímpiadas me estimularam a descobrir o gosto por estas áreas".

  • Cauê Gonçalves – medalha de ouro | 2ª série do Ensino Médio

"Essa é a primeira vez que participo da OBA. Sempre fiquei encantado por todos os assuntos que envolviam astronomia, e quando soube que essa prova existia, não poderia perder a chance. Comecei a me empenhar todos os dias para entender os assuntos abordados; sempre dedicava parte do meu tempo para dar uma olhada nos conteúdos e como era divertido estudá-los! Acabei por conseguir passar para as seletivas internacionais, e viajar para fora do Brasil para competir se tornou o meu novo sonho. Estudo todo dia desde que recebi minha nota na OBA. Nunca imaginei que me apaixonaria tanto por algum assunto quanto me apaixonei pelos da prova. Com certeza entender todos os cálculos e fórmulas vai me ajudar em muitas coisas, principalmente na programação, onde pretendo seguir a carreira de engenheiro de software. Quero passar na Federal e sair programando até quem sabe robôs que podem vir a ser enviados para fora do planeta! Acredito que ter esse tipo de conhecimento é algo fantástico para qualquer um. Entender o universo, ver como ele funciona, quebrar a cabeça para tentar entender coisas que parecem que só podem ter saído de um livro de ficção científica, passar a olhar a vida, a galáxia, o universo em que vivemos, como a coisa mais mágica que existe. Pretendo nunca parar de aprender, de estudar e entender essas coisas inimagináveis que a vida oferece!"

  

Colégio Sesi da Indústria – Internacional:

  • Professora Flávia Ferreira

"Receber a notícia de que seus alunos receberam medalha de ouro na OBA é respirar novos ares e crer em um futuro cada vez mais promissor. Enche nossos corações de esperança! Sou parte de um grande grupo de professores que juntos trabalham muito para divulgar e incentivar os alunos a participar de eventos diferenciados com esse. Não tem outro sentimento que não a alegria e orgulho que eu sinto de todos por terem participados e, principalmente, por estes alunos que ganharam as medalhas, ressaltando sua dedicação e estudo!" 

  • Giulia Garcia de Morais – medalha de ouro | 2ª série do Ensino Médio

"A Olimpíada Brasileira de Astronomia me fez evoluir nos meus estudos e no meu aprendizado pessoal. Eu sou aluna do Colégio Sesi Internacional de Curitiba e essa foi a minha segunda passagem pela olimpíada. Participei uma vez em 2020, e agora em 2021, onde passei para as seletivas internacionais da OBA. Desde criança gostava de observar o céu, admirar as estrelas, mas nunca havia parado para estudar mais sobre. Com as oportunidades que o colégio ofereceu eu consegui conhecer mais sobre essa área, o que acabou me levando às olimpíadas e consegui chegar na pré-seletiva. A ajuda e apoio dos professores contribuiu muito para este aprendizado, e a leitura também foi uma forte aliada. Com a astronomia eu consegui abrir uma nova porta de possibilidades para o meu futuro e hoje penso bastante a respeito dessa área, assim como penso em tecnologia também. Todo esse processo é cansativo, porém a sensação de ver que todo o seu trabalho teve um resultado, é muito gratificante, me fez entender que com dedicação e persistência nós podemos alcançar aquilo que desejamos e evoluir cada vez mais." 

  • Luísa Pinheiro de Uzeda Mesquita – medalha de ouro | 3ª série do Ensino Médio

"Eu mal sabia da existência da OBA até o início do ano, mas sou muito grata às minhas professoras do Colégio SESI Internacional de Curitiba por terem me incentivado a me inscrever. Foi, de fato, uma experiência ímpar, e acredito que meu resultado na Olimpíada funcionou como um expansor de horizontes e oportunidades para mim. Sempre tive grande facilidade para a área de exatas e o estudo dos astros me encanta há tempos, tendo me incentivado a ler obras de Carl Sagan e Stephen Hawking. A OBA me ajudou a ter certeza de que carreira quero seguir; então tenho me dedicado a estudar para as seletivas internacionais, não apenas para representar o Brasil na IOAA mas também para poder um dia me tornar uma engenheira aeroespacial de sucesso."

 

Colégio Sesi da Indústria - Afonso Pena:

  • Professor Willian Carlos da Silva

"Pedro é um aluno formidável; Já nasceu protagonista de seus estudos, é extremamente dedicado, educado e de fácil relacionamento. Ser professor de alguém assim não é tão difícil, mesmo sendo professor de Física. Em 2020, mesmo com as dificuldades trazidas pela pandemia, em uma aula sobre instrumentos ópticos onde iriamos falar de lunetas e telescópios, o Pedro e uma colega fizeram uma proposta de falar em aula sobre astrofísica, conteúdo de interesse dos dois; eu fiquei muito animado, incentivei e eles produziram um conteúdo de muita qualidade. A verdade é que o Pedro é merecedor de tudo isso pois se empenhou muito e eu sou grato por fazer parte da caminhada dele. Eu fui com certeza coadjuvante nesse processo. Essas medalhas conquistadas, prata na Olimpíada Brasileira de Astronomia (OBA) e Bronze na Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG) foram fruto da dedicação e do comprometimento do Pedro." 

  • Pedro Henrique Perreira Deguchi – medalha de prata | 2ª série do Ensino Médio

Conquistou medalha de Prata na OBA e medalha de Bronze na Mostra Brasileira de Foguetes.

"Eu descobri a OBA ainda no início deste ano através da minha namorada. O amor pela astronomia é algo compartilhado por nós, e logo que descobri a existência da olímpiada entrei em contrato com o professor Will para que ele realizasse a inscrição. Participar da OBA foi muito bom. É uma experiência que engrandece, assim como qualquer olímpiada do conhecimento, e o apoio do Colégio Sesi e do professor Will foi indispensável para os resultados que tive. Hoje estou estudando para as provas do processo seletivo à seleção brasileira, e o que me motiva é o meu amor pelo assunto e a oportunidade de poder competir em nível internacional. Também conto com o apoio da família, namorada amigos e os professores. Planejo cursar algo voltado ao espaço como engenharia aeroespacial ou talvez astrofísica. O espaço encanta quem o encara da forma certa e o céu está longe de ser o limite." 

 

Colégio Sesi da Indústria - União Da Vitória:

  • Professora Luiza Maturizem Jackiw

"É uma grande alegria ter alunos do nosso Colégio selecionados para a próxima etapa da OBA. Isso me enche de orgulho como pessoa e como profissional. É uma emoção enorme ver que estão alcançando grandes conquistas e caminhando rumo a um futuro de inúmeras possibilidades!" 

Luiza Maturizem Jackiw é Professora de Física e Ciências Aplicadas do Colégio Sesi - União da Vitória. 

  • Emyllin Vitória Falk | medalha de Bronze | 1ª série do Ensino Médio

"Foi minha primeira participação na Olimpíada Brasileira de Astronomia. Minhas inspirações foram minha professora e as estrelas. Adoro olhar para o céu e ficar admirando as estrelas brilhando, pensar no infinito. Além disso, este é um conteúdo que me chama muito a atenção, pois ainda temos muito o que descobri sobre o Universo. Passei para as seletivas internacionais e agora pretendo representar o Brasil. Para meu futuro, quero fazer faculdade de medicina com especialização em cirurgia plástica. Como nas olimpíadas, as etapas a serem cumpridas serão varias, assim como na vida."

 

Colégio Sesi da Indústria – Umuarama:

  • Professor Higor Belafronte de Andrade

"Como professor do Gabriel, nota-se a facilidade que ele tem nas áreas de exatas. Não existe uma chave mágica e sim a dedicação, e isso ele leva muito a sério. Infelizmente pela pandemia não pudemos nos reunir pessoalmente, mas mantivemos um contato virtual com as videoaulas e também para o auxílio de dúvidas. Fico muito feliz em ver o sucesso do Gabriel, pois é fruto do seu esforço, ele merece!! E já estamos nos preparando para a próxima etapa".

O Professor Higor Belafronte de Andrade é Físico e possui mestrado no Ensino de Física. No Colégio Sesi de Umuarama atua como professor de Física e de Oficinas Tecnológicas. 

  • Gabriel Franzon Eichlt – medalha de Prata | 3ª série do Ensino Médio

"Sou aluno do Colégio SESI de Umuarama e essa foi minha primeira vez participando da Olimpíada Brasileira de Astronomia. O que me motivou a participar foi o interesse que tenho pelas ciências físicas, área que gostaria de seguir carreira profissional. Com a OBA aprendi que quando nos dedicamos de verdade a algo, conseguimos colher os resultados".