Envie para seus amigos

Verifique os campos abaixo!






Comunicar Erro

Verifique os campos abaixo!




27/12/2017

O papel da educação do Sistema Fiep na vida de um jovem engenheiro

Com histórico nas modalidades de educação do Sesi, Senai e IEL, o estudante Raphael Felkl Lopes constrói carreira na engenharia aplicando ensinamentos do Sistema Fiep

Raphael Felkl Lopes, de 21 anos, é um estudante promissor. Concluiu o ensino médio, foi aprovado no vestibular para o curso de engenharia mecânica e faz estágio em uma grande empresa do ramo. Esses fatos na vida dele só foram possíveis por uma razão: ele concluiu várias etapas da educação dentro do Sistema Fiep. Do ensino médio ao mercado de trabalho, Sesi, Senai e IEL estiveram presentes na vida desse jovem.

No ensino médio, foi a metodologia interdisciplinar do Colégio Sesi que despertou em Raphael a desenvoltura necessária para trabalhos coletivos. Por meio das oficinas de aprendizagem, os alunos, em grupo, estudam um mesmo assunto em matérias diferentes. “O que eu percebo é que, por ter estudado no Colégio Sesi, não tenho dificuldades para socializar e trabalhar em equipe, pois essa já era minha rotina em sala de aula”, explica.

Se foi no Colégio Sesi que Raphael aprendeu a trabalhar em equipe, foi no Senai, com os cursos técnicos junto ao ensino médio, que ele teve a certeza sobre a profissão que gostaria de seguir.  Em visitas aos laboratórios, conhecendo as possibilidades da profissão, Raphael decidiu pela carreira na engenharia. Uma vez que ingressou na universidade, foi a vez do IEL aparecer na vida dele para auxiliar com o futuro profissional.

Por meio do processo seletivo do IEL, ele foi aprovado para estagiar na empresa KYB, a principal fornecedora de amortecedores do mundo. O IEL conseguiu unir a expectativa profissional dele a uma vaga para as competências que ele possui. Para o futuro, que já está em construção, ele planeja atuar no desenvolvimento de projetos dentro da KYB ao tempo que gerencia equipes, atividades que ele já está acostumado desde os tempos de colégio. Ele garante que estudar no Sistema Fiep foi fundamental para entender que perfil de profissional ele seria.  “Pude despertar o interesse pelos mais diversos assuntos, sempre à frente do que o mercado de trabalho exigia”, conclui.